sábado, 5 de março de 2011

A evolução da espécie humana

Pelos conhecimentos disponíveis, o Homo sapiens surgiu no continente africano e depois ocupou o asiático, o europeu e, finalmente, a Oceania e o continente americano.
Foi durante o longo período da pré-história que os primeiros grupos humanos migraram e povoaram várias regiões da terra.
Quando os homens chegaram ao continente americano, já tinham atingido o estágio mais avançado de sua evolução biológica, ou seja, já eram Homo sapiens. Para a formulação dessas hipóteses, utilizaram-se, diversos métodos de investigação.

A revolução da teoria de Darwin

Em 1650, um pensador religioso inglês, baseado nas crenças judaico-cristãs, chegou à conclusão, sem nenhum critério científico, de que o homem havia sido criado no ano de 4004 a.C.
No século XIX, as descobertas arqueológicas possibilitaram explicações científicas. E foi nesse mesmo século, que Charles Darwin publicou seu livro  A origem das espécies. A partir das observações anotadas em uma viagem pelo mundo (1831-1836), Darwin formulou a teoria da evolução das espécies. Concluiu que, por meio de mutações, as espécies passam por mudanças, adaptam-se ao meio natural e dão origem a novas espécies. Algumas espécies se extinguem dando lugar a outras. Todo esse processo seria realizado por meio da seleção natural.
Mais tarde Darwin estendeu essa teoria para o surgimento do homem, classificando-o como descendente dos antropóides (macacos). A comunidade científica e outros setores da sociedade, não podiam admitir essa hipótese.
Sabe-se hoje, que o homem não é exatamente descendente dos macacos, mas é seu parente mais próximo.
Atualmente a ciência questiona a linearidade evolutiva do homem, concebendo teorias que afirmam a existência simultânea de grupos humanos diferentes, tanto do ponto de vista cultural como biológico.
Desde o momento em que o homem passou a confeccionar instrumentos e desenvolver uma linguagem articulada, ele se distinguiu dos outros animais e criou o mundo da cultura.  Transformar a natureza e a si próprio por meio do trabalho passou a ser a característica essencial da espécie humana.
A fabricação de instrumentos culminou num processo evolutivo de milhões de anos. Assim o homem é o único animal que pode influenciar na sua própria evolução.
O fato é que a nossa capacidade de produzir cultura está baseada tanto na herança propriamente cultural que recebemos do passado como nas características físicas que adquirimos com a evolução biológica.
A base física da nossa evolução cultural, que nos distingue dos demais animais, pode ser bem entendida se for comparada com a dos nossos parentes mais próximos, os macacos. 

A origem do homem está ligada à evolução biológica dos mamíferos. O homem é um mamífero da ordem dos primatas, família dos hominídeos, gênero Homo, espécie sapiens. Os primeiros mamíferos teriam surgido há cerca de 220 milhões de anos, ainda na Era Mesozóica, a era dos répteis. Eram pequenos animais que viviam em árvores. Mas foi por volta de 65 milhões de anos atrás que se deu a proliferação dos mamíferos na Terra. O desaparecimento dos dinossauros, que ocorreu por volta de 70 milhões de anos atrás, liberou um grande número de nichos ecológicos, permitindo a multiplicação das espécies de mamíferos. A Era Cenozóica foi a era dos mamíferos.
Dos primeiros mamíferos até o aparecimento do primeiro primata, milhões de anos se passaram. Decorreram outros milhões para surgir a família dos hominídeos, há cerca de 4,2 milhões de anos, representada pelo Australopithecus anamensis. Por volta de 2,5 milhões de anos atrás surgiu o gênero Homo, conforme foi atestado pela descoberta da existência do Homo rudolphensis. O Homo sapiens só surgiu depois de uma longa evolução do gênero , por volta de 120 mil anos atrás.



A evolução do homem, a partir dos hominídeos, passando pelas espécies desaparecidas do gênero Homo  até chegar ao Homo sapiens, ainda não está suficientemente esclarecida pela ciência. Não foi possível refazer todos os passos dessa evolução. Isso depende da descoberta dos fósseis. Assim, cada descoberta resulta em novas datações e novas hipóteses sobre a linha evolutiva que originou a nossa espécie.

                               PEDRO, Antônio. História da civilização ocidental. ensino médio. volume único

Um comentário: